15 de dezembro de 2009

UMA LEITURA DA MORTE NA OBRA ‘O AMOR ACABA’ DE PAULO MENDES CAMPOS

Trabalho apresentado pelo aluno André Luiz Barros para obtenção de grau da displina Laboratório Experimental II, do curso de pós-graduação lato sensu de Jornalismo Cultural da UERJ


“O mais importante na vida é não ter morrido. Amo a vida, mesmo quando a odeio. Se tivesse sido consultado, não teria desejado vir ao mundo, mas, já que aqui estou, vou demorar-me tanto quanto possível. Viver é nascer lentamente. O homem procura a sua densidade, e não a sua felicidade. A consciência é uma doença. Ter um corpo é uma grande ameaça ao espírito.”

Paulo Mendes Campos

A Crônica:

A crônica tem como ponto de partida histórica o início da era cristã, quando eram usadas para registrar relatos dos acontecimentos da época. A partir do Séc. XIX, a crônica se aproximou das características do conto e da poesia, gêneros mais antigos. Ultimamente ela é tida como um registro poético e muitas vezes, irônico de assuntos relacionados, em sua maioria absoluta, a eventos do dia-a-dia.

De acordo com Angélica Soares, no livro Gênero Literários, a crônica se utiliza de diversas ferramentas, do diálogo, do monólogo, da alegoria, do verso, de personalidade ou fatos reais, de personagens ficcionais, etc., contradizendo a falsa ideia de que esse gênero é baseado apenas na reprodução de fatos, como as reportagens que fazem isso com primor, o que lhes ajuda a garantir um título injusto de menos importância dentro dos gêneros literários. “É uma forma poética de captar o instante e torná-lo mais perene, eterno”, diz a autora.

A crônica possui algumas características bastante especificas: faz uso da narrativa informal, familiar e intimista; usa uma linguagem coloquial; tem sensibilidade no contato com a realidade; usa de algumas doses de humor com freqüência; costuma ser um texto leve e sintético; discorre sobre fatos modernos e do cotidiano e possui uma natureza ensaística em que a narração é feita em ordem cronológica.

O gênero está dividido em duas categorias: jornalística – que está ligada ao momento e se torna datada, e literária - como é o caso de Paulo Mendes Campos, que ultrapassa a narração do cotidiano e resiste ao tempo.

Entre os cronistas mais famosos, destacam-se: Machado de Assis (em seus folhetins), Olavo Bilac, João do Rio, Drummond, Eneida, Millôr Fernandes, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Rubem Braga e Sérgio Porto.

Apresento-vos: Paulo Mendes Campos

Segundo informações do ‘Projeto Releituras’ do jornalista Arnaldo Nogueira Junior, o autor nasceu na capital mineira em 1922 e carregou consigo toda a nacionalidade e modernismo da famosa ‘Semana de Arte Moderna’ do mesmo ano. Chegou a estudar Direito, Odontologia e Veterinária, na década de 1940, mas não concluiu nenhuma das graduações.

Anos mais tarde, para sustentar a família, dedicou-se a tradução de textos em francês e inglês, foi repórter e até redator de peças publicitárias. Devido à dedicação às letras, em meados da década de 40 chegou a ser diretor do suplemento da Folha de Minas e colaborador de O Diário e O Estado de Minas. Participou do I Congresso Brasileiro de Escritores, em 1945, ano em que passou a viver no Rio de Janeiro, a princípio como funcionário do Instituto Nacional do Livro. Passou a redigir textos para o Correio da Manhã (entre 1946 e 1948), ao lado de Álvaro Lins, Graciliano Ramos e Mário Pedrosa. Publicou seu primeiro livro de poesia, A Palavra Escrita, em 1951.

Nas décadas seguintes publicou vários livros de crônicas, entre os quais O Cego de Ipanema, O Colunista do Morro e O Amor Acaba: Crônicas Líricas e Existenciais. Em 1966 recebeu o prêmio Alphonsus de Guimaraens, concedido pelo Ministério de Educação e Cultura, pelos livros de poesia Testamento do Brasil e O Domingo Azul do Mar. Sua obra poética, vinculada à terceira geração do modernismo, inclui ainda os livros Poemas (1979), Diário da Tarde (1981) e Trinca de Copas.

O autor faleceu na cidade do Rio de Janeiro no dia 1° de julho de 1991, aos 69 anos de idade. Em sua homenagem, a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro batizou com seu nome uma pequena praça num cruzamento entre as ruas Dias Ferreira, Humberto de Campos e General Venâncio Flores, no Leblon, Zona Sul da cidade.

O ensaísta e doutorando em Letras Comparadas, DLCV-FFLCH-USP, tem o autor como um verdadeiro cronista-poeta que vivia como personagem e protagonista de sua própria obra, vivendo o que escrevia e escrevendo sobre sua vida. O autor apaixonado pelos dias de domingo, tinha como temas de obsessões: a morte, o amor, a memória, a experiência do poético e a leitura da poesia.

‘A morte’ na crônica:

Os avanços da medicina têm prolongado cada dia mais a expectativa de vida no mundo, por outro lado, problemas sociais como a fome, a miséria, a violência acometem essa mesma população todos os dias. A vida, a saúde e a morte estão diretamente conectadas e fazem parte do cotidiano de todos que diariamente fogem desse fim que não tem hora certa e determinada pra chegar. A ansiedade a aflição proveniente dessa incerteza, fez com que a literatura usasse e abusasse do tema, nos contos, em poesias e romances, sua presença é freqüente. Uns tentam amortecer a dor da perda através das letras, outros narram através de um eu - lírico morto como é sentir a morte, há aqueles que discorrem sobre a morte de terceiros, a agonia dos entes próximos e dos mais chegados e ainda àqueles que dissertam liricamente sobre o tema extraindo seu lado místico, lúdico e abstrato. A morte é uma experiência incompartilhável e é exatamente por isso que é tão expressa na arte, porque já que podemos experimentá-la apenas uma vez, porque não senti-la através do cinema, da pintura e da literatura usando nossos cinco sentidos enquanto vivos? E é exatamente por isso que a morte na arte é tão expressa e tão assistida.

A crônica, no entanto, adotou o tema e usa essa parte do ciclo vital tão normal e que acomete milhares de pessoas por dia em suas entrelinhas. Praticamente todos os autores já trataram do assunto, principalmente por se poderem extrair das mais empolgadas risadas ao mais profundo pranto, por se tratar de algo rotineiro, que faz parte do cotidiano do mundo, e que nos tange diariamente. Talvez a morte seja nossa incerteza mais certa, já que, como diz a velha máxima, “para morrer, basta estar vivo”.

‘A morte’ nas crônicas de PMC:

No livro ‘O amor acaba’, podemos observar a pluralidade temática do autor. Entre lamúrias de uma adolescente de quinze anos, a narração do voo de um pequeno pássaro sobre a cidade do Rio de Janeiro, o amor e o fim dele ou a morte física e espiritual, o autor nos desconcerta com narrações do cotidiano, através de um olhar lírico e poético sobre o mundo e seus devaneios. O talento do autor pra poesia acaba fugindo pelas linhas das crônicas que nos tocam, nos fazem rir e em determinados casos ficar revoltados ou aflitos.

Para a mestra em Letras (Literatura Brasileira) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e doutora em Literatura Comparada - Semiologia - Université de Paris VII, os temas explorados nas crônicas de Paulo Mendes Campos, “vão das reminiscências da infância às experiências adultas, percorrem o solo de uma escrita boêmia, urbana, poética e, principalmente, moderna... que sofistica a narrativa cotidiana, representando-a de modo a reforçar o imaginário criado em torno de suas personagens”.

As crônicas “Em face dos mortos”, “Últimos apelos” e “Encenação da morte” mostram a busca do autor por desbravar o tema, não que sua obra seja fúnebre, pelo contrário, a ironia se vê presente em todo o livro, mas a morte, o fim e o adeus, são praxe nos textos. Outras obras, como “O medo”, “A arte de ser infeliz”, “Anatomia do tédio” ou “Porque bebemos tanto assim?”, põem em voga as fraquezas do homem, que acabam levando-o a esse fim espiritual. De uma maneira ou de outra, a antítese vida/morte é carregadas pros textos do autor, seja na volúpia da menina virgem galopando em seu cavalo ou no término de um amor que nos acomete em qualquer segundo, como na crônica “O amor acaba” que deu nome ao livro.

O tratamento dado por ele ao tema pode ser observado também em outros livros, poesias e crônicas de sua autoria. Em “Os lados” dizia: Há um lado em mim que já morreu./ Às vezes penso se esse lado não sou eu. Já em “A morte”, escreve: “Vai comigo a morte, vou comigo à morte, concluindo: Morte, tens em mim tua vitória”.

Duas crônicas em especial retratam bem a maneira nem tão mórbida, até o contrário, às vezes cômica e realista, que o autor lida com o assunto.

Em “O canto fúnebre do carioca”, o texto possui um fundo hedonista com lembranças do passado do Rio e da figura do carioca e sua boemia. Um tom de nostalgia e crítica vai de encontro à tranqüilidade do passado. A forte presença de cenas do cotidiano ajuda a forjar, simular e convencer o leitor acerca da morte do carioca e do próprio Rio Antigo. Partindo da época do Brasil-Imperial, o autor discorre:

“Outrora morei num reino a beira-mar. Rosas floriam no Flamengo, jovens eram os arranha-céus e os telefones, os recados me chegavam do Largo do Boticário, do bar do Palace, do Joá, dos terreiros da Mangueira”.

O trecho deixa de forma quase poética a saudade do autor pelo passado histórico do Rio de Janeiro perdido hoje pela poluição sonora e visual das grandes cidades do mundo que cresceram pra frente, pros lados e para cima sem muita programação. Noutro instante Paulo Mendes Campos descreve a derrocada e uma série de transformações que modificaram a estrutura da cidade do Rio de Janeiro no começo do século XX.

“Perdi-me na esquina da rua Gonçalves Dias em 1928, desabei com o Morro do Castelo, afoguei-me nos mangues de 1935.”

E continua:

“... corroí-me nas maresias da Barra, esvaí-me em tosse, esbati-me em treva, desbaratinei-me nas encruzilhadas da macumba, fui mastigado pelos peixes, desintegrei-me numa catástrofe aérea, esfarelaram-me as unhas dos agiotas, atassalharam-me as marretas imobiliárias, sufocaram-me os malignos, roeram-me os caninos dos vereadores...”

A crônica de meados do século XX, narra as mudanças ocorridas na então capital do Brasil, e mostra o esfacelamento do Rio Antigo, de forma cronológica e seguida de fatos verídicos que para o autor repercutiram no esfacelamento da cidade, que era vista no passado como um paraíso para PMC. O tom de nostalgia escrito de forma seqüencial percorre todo o texto e finda por sacramentar não a morte de uma pessoa, mas de uma alma, a alma carioca.

Já em outro texto, interessante notar na crônica “Encenação da morte”, também integrante do ‘O amor acaba’, como Paulo Mendes Campos, usando do eufemismo, busca humanizar a vida e a morte deixando claro que elas não são bem coisas impalpáveis, e mostrando-nos que podemos experimentá-las enquanto sãos. O autor nos põe como objeto de conquista, na constante guerra, literalmente física através de nosso corpo, entre as duas, com o objetivo principal de nos capturar.

“Somos uma espécie de troféu de uma luta freqüente entre a vida e a morte”

Importante notar a atualidade do texto quando ele diz:

“As mortes que perseguem a infância são em geral grossas e estúpidas”.

O trecho nos leva imediatamente à nossa atual situação de violência urbana vivida no Rio de Janeiro. O conteúdo dessa crônica é construído sob uma análise metafórica e figurativa em que o autor participa da narração através do conto de experiências pessoais.

Breve conclusão:

A leitura de textos, somada à história do autor e passagens de estudiosos da literatura brasileira nos ajuda a ler a ‘morte’, tal qual é escrita por Paulo Mendes Campos. O autor trabalha de forma abstrata o tema, não escrevendo sobre a morte física de fato, mas sobre a morte da alma, ou trabalhando a morte e os espíritos como coisas palpáveis que podem ser enxergadas. A morte para PMC tem vida, é um paradoxo, mas bastante visível em seus textos. A morte fala, anda, se comunica e faz história. A vida e a morte são com freqüência humanizadas e tem voz e agem como se não fizessem parte do ciclo vital humano, e sim da própria vida do homem. Além disso, o tema não é visto como tragédia e sim uma conseqüência do próprio ato de viver, bate-se a nostalgia e a saudade mas nunca a tristeza ou a revolta.

21 de novembro de 2009

Salve Zumbi !

Ouça e reflita:


Zumbi na Cultura do Candomblé

Zumbi na Ginga da Capoeira

Zumbi no Samba no Pé da Mulata


DIA 20 DE NOVEMBRO - DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
(Dia de todos aqueles que como eu, se declaram filhos de Zumbi dos Palmares, desse grande líder brasileiro, que lutou pela beleza e liberdade de nossa negritude)

13 de novembro de 2009

Já é Natal na Lider Magazine...


É de lei! Mal novembro começa e no intervalo da novela das oito um jingle nos acomete. Docinho, docinho, pelos ouvidos... e de repente... “Já é Natal na Leader Magazine... 100 milhões de dias pra pagar, é bom você aproveitar!!”. Esse ano o Natal parece que vai ser gordo, a marolinha de Lula já passou e a maré parece estar pra peixe. O IPI da linha branca continua reduzido até 31 de janeiro de 2010 e o comércio registra alta pelo quinto mês consecutivo em setembro, a Petrobrás escavou mais um buraco em Tupi com sucesso, 18,5 milhões de pessoas ascenderam seu poder aquisitivo nos últimos três anos no Brasil, a moeda está valorizada, a taxa de juros básica (Selic) ainda é alta, mas estagnada há um tempinho... As noticias são boas e aparentemente animadoras. Mas e o bom velhinho?

A crise mundial está se abrandando, mas parece que ele está inseguro, ouvi dizer que Papai Noel esse ano vai abrir a mão pra geral, mas vai desembolsar um extra para investir em ações. Encontrei com ele no IBGE e ele me disse que o IPCA (o meu queridinho, sim) vai dar um empurrãozinho esse ano. O índice de inflação oficial usado pelo governo registrou alta, mas o que puxou a aceleração foi o álcool, o que não interfere no transporte do Papai Noel, já que quem carrega ele de um lado pro outro são renas e elas não são total flex, muito embora esses bichos sejam comumente confundidos com viadinhos Bambi. A mesa estará farta, afinal o fogão de seis bocas vai sair, pelo menos até janeiro, e o Chester, engordado o ano inteiro tadinho, vai pra mesa, talvez até duplicado, o grupo dos alimentos registrou leve deflação no último mês.

O IOF vai ficar, junto com aqueles pratos de frutas pintadas que só saem do armário em dezembro e pra lá voltam no dia 26 do mesmo mês. O Real está indo de vento em poupa, tendo quedas ralinhas, mas estável, bom pra quem quer conhecer a derrota norte-americana, viajar pros EUA agora é excelente ideia.

Esse ano foi o ano da zebra, Clodovil Hernandes, Dercy Gonçalves e Michael Jackson se encontraram com Jesus (ou com o diabo, quem sabe?) e um helicóptero chegou a ser abatido no Afeganistão... oops no Rio de Janeiro. Mas Papai Noel não está nem aí, ele acompanhou a saga da cidade da música na Barra e seus 500 milhões de reais pra semiconstruir aquele elefante cinza, como é popularmente conhecido o neo-antro da cultura erudita de nossa cidade maravilhosa, que por sinal está mais gay do que nunca, ganhou até o título de melhor destino gay global pela MTV.

Enfim... a Petrobrás continua quebrando a cabeça pra tirar leite de pedra.. oops petróleo de pedra... oops petróleo do pré-sal, quase pedra e não é que a filha da mãe consegue tirar isso lá de baixo! Podia tentar tirar os corpos do acidente da TAM que estão no Atlântico. A essas famílias o bom velhinho não poderá garantir o melhor dos presentes, a Justiça. No Brasil, nem sempre a Justiça tarda e não falha, aqui ela sempre tarda, tarda bastante mesmo, e às vezes falha!

Eu sei que nesse ano a classe média e a pequena burguesia, agora infladas com o pessoal que enriqueceu do nada, vão gastar mais. Estão previstos a injeção de R$85 bilhões na economia brasileira só com o décimo terceiro. Tudo bem que o pessoal vai começar o ano fufu... mas isso é de lei.. e olha que Papai Noel não estará aqui para dar os lápis e canetas pras crianças no início das aulas não hein moçada.

A economia está felizinha e a Dilma vai se eleger ano que vem como candidata a presidência. Nãooooooooooooo! PAC não chegou em Bangu e nem perto daqui. O bom velhinho me disse que esse ano o natal será mais poupudo e bastante diferente.

Vamos trocar a cafona “Noite Feliz” tocada em teclado quando pequeno pela minha prima e ceiar ouvindo o arrojado ”Bota com raiva, bota com raiva!!”e comemorar a pseudo-tsunami passando o Mantega no piru.. oops! Passando manteiga no peru e botando com raiva ele para assar no fogão de seis bocas novo. Kk

Aaaaa e o Papai Noel, ele é brasileiro, e está dentro milhões de pessoas que subiram de vida de acordo com o Ipea, ele vai abrir uma caixinha nas Ilhas Caimãs e passar a noite fumando charutos cubanos com uma boa garrafa de Chandon do lado.


3 de novembro de 2009

Homenagem ao grande antropólogo do século XX, o belga Claude Lévi-Strauss, que morreu aos 100 anos no último dia 31 de outubro.

"O mundo começou sem o homem, e terminará sem ele", por Lévi-Strauss, em 1955.

2 de novembro de 2009

CARTA-ABERTA: Se o diabo veste Prada, meu padre calça Adidas

Carta enviada a Arquidiocese do Rio de Janeiro em protesto à medida que baniu minha conclusão do sacramento do Crisma na Paróquia de São Lourenço e Nossa Senhora de Fátima.
Rio de Janeiro, 28 de outubro de 2009

Vossa Senhoria Reverendíssima Mons. Luiz Artur Falcão,

A comédia Tartufo, de Moliére, tão condenada pela Igreja Católica no século XIV, por ter como protagonista um integrante do clero um tanto quanto dissimulado, parece ter saído das páginas da literatura francesa e ganhado vida própria numa das paróquias do vicariato da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Digo isso, porque hipocrisia, injustiça e falsos religiosos parecem ter acometido a Igreja que freqüento, em Bangu.

No final do ano passado me matriculei no curso de Crisma, juntamente com uma amiga e minha irmã. Por elas terem passado pelos mesmos problemas e termos ligação afetiva e familiar bastante forte, tomo a liberdade de narrar nas próximas linhas nossa triste jornada na Crisma 2009 na Igreja de São Lourenço e Nossa Senhora de Fátima.

No começo íamos de fato com muito prazer, até para minha surpresa, pois nunca freqüentei a Igreja com tanta assiduidade, mas aquela tinha realmente sido uma forma feliz de voltar a freqüentar as missas e aproximar-me ainda mais de Deus. Entretanto passaram alguns meses e começamos, eu, minha irmã e essa minha amiga, a sentir certo preconceito devido a fatores bastante fúteis e dispensáveis. O propósito inicial de comunhão estava sendo perdido, junto com nossa vontade de freqüentar o curso, muito embora, tenhamos ido até o último dia.

Durante o curso, ministrado por uma ex-praticante de religião afro e da cartomancia, fomos por vezes, postos em voga e criticados por adotarmos em determinados casos uma postura às vezes indagadora, devido em especial, ao fato de já sermos alunos universitários e termos, por naturalidade, maiores questionamentos. Nossas perguntas eram freqüentes, mas jamais faltavam com o respeito ou iam contra os dogmas da Igreja, apenas eram dúvidas pertinentes aos temas tratados e os questionamentos, eram sem dúvida nenhuma, questionamentos de outros alunos, que preferiam absterem-se das dúvidas e encarar o silêncio e a alienação. Gostaria de deixar claro, que desde o começo, esse comportamento foi atribuído e relacionado pelos coordenadores e catequistas, ao nosso grau de instrução. Eu sou jornalista e faço pós-graduação em Jornalismo Cultural na UERJ, minha irmã, Luana, faz Fonoaudiologia na UFRJ e Farmácia na CEFETEQ, ambas federais, e minha amiga Andressa, estuda na UniverCidade e cursa o segundo período de Relações Internacionais. Afirmo, com total seguridade, que o fato de sermos alunos do ensino superior não interfere em nossas crenças. A perseguição por conta disso foi bastante acirrada, a ponto desse assunto ser mencionado por vezes durante as palestras, inclusive pelo próprio Padre, que por sinal, também freqüentou a Academia.

Também no decorrer do Crisma, um fato nos deixou bastante incomodados, e esse foi o estopim para que fôssemos banidos de completar o curso e recebermos o sacramento. Num dos retiros realizados pela pastoral, um jovem de 16 anos, que por sinal é bastante conhecedor da palavra de Cristo e inclusive vemos com freqüência no altar durante as missas, lidando com instrumentos sagrados por ser coroinha, numa conversa informal, faltou com respeito para conosco (me incluo por ter me ofendido perante a maneira com que se referiu a minha irmã). Usando palavras de baixo escalão, termos extremamente vulgares, que fico envergonhado em pronunciar, sugeriu que minha irmã e minha amiga, caso ainda não fossem puras, teriam excelentes performances sexuais assim que a praticassem; narrou experiências sexuais bizarras e extremamente constrangedoras dentro da própria Igreja; e disse conhecer a beleza da genitália feminina através dos pés, apontando para os pés das meninas que estavam a seu redor. Gostaria de deixar claro, que usei o eufemismo para descrever a fala do rapaz, já que os termos usados por ele, estão muito longe desse grau de discrição e respeito. O jovem ainda acusa abertamente o pároco da Igreja de ser um mercenário e só pensar em dinheiro. Como um coroinha se manifesta dessa forma?

Chegamos em casa, contamos a nossa mãe, e pedimos para que não fôssemos ao segundo retiro já que a experiência espiritual havia sido completamente deixada de lado por termos sido abordados por tamanha ofensa. O retiro, que foi massivamente tratado como obrigatório, teve nossa ausência justificada por nossa mãe uma semana antes. A justificativa foi aceita pela coordenadora que não se manifestou contra. Deduzimos que nossa falta havia sido abonada.

Uma semana depois, fomos até a reunião do Crisma, como de praxe, e a mesma coordenadora não aceitou a documentação exigida para completarmos o curso alegando que havíamos sido retirados do grupo do crisma devido a nossa falta (justificada) no retiro. A situação constrangedora foi até o Padre da Igreja, a Vossa Referência Padre Marcelo, que recebeu minha mãe, minha irmã e eu com total arrogância e um discurso bastante irônico, afirmando o que já tínhamos ouvido da coordenadora.

Ao questionar nossa saída com o Padre, ainda fui informado que havia sido feita uma negociação, uma barganha acerca das faltas dos alunos: quem fosse ao retiro teria as faltas abonadas. Em alguns casos, quatro meses de ausência das classes foram justificados pelo simples fato da pessoa ter ido ao retiro. E daí fica a pergunta: Com que propriedade a coordenação do Crisma, sob responsabilidade de nosso Padre fez isso, sabendo que o Crisma baseia-se no Catecismo da Igreja Católica e no Livro da Crisma que permite o crismando faltar apenas até 25% do total de aulas?

Gostaria de ressaltar ainda, que eu, Andressa, e minha irmã, fazíamos parte de uma pequena gama de no máximo meia dúzia de jovens que participavam ativamente das classes, lendo trechos da Bíblia quando solicitados e apresentando os trabalhos em grupo. Além disso, eu e minha irmã e apenas mais um dos 40 jovens desse grupo de Crisma, entregamos um trabalho obrigatório acerca de outra pastoral. Além da discriminação por nosso grau de instrução, por vezes, ouvi críticas da catequista acerca da marca do meu tênnis (Adidas), que por sinal, é da mesma nacionalidade de peças de roupas e acessórios que o próprio Padre Marcelo veste.

Passado o ocorrido já não pretendemos concluir o Crisma, mesmo que não tivéssemos sido banidos pelo Padre. Cumprir um sacramento diante de toda essa situação é completamente infundado e sem sentido.

Gostaria de humildemente questionar:

* Faltar a um retiro mesmo com justificativa é pior do que faltar com o respeito a fiéis dentro das imediações da Igreja, usando termos vulgares e eróticos?

* O histórico religioso da família e a conduta do crismando durante o Crisma e sua participação não são levados em conta nessa hora?

* Fazer perguntas sobre temas em discussão, só por serem polêmicos é proibido dentro da Igreja?

* Onde está a vocação de nosso Padre, que nos atendeu com total frieza e arrogância?

* Como as catequistas devem ser preparadas para ministrar o Crisma? Ouvir, na íntegra e exatamente com esses termos, que “homossexuais são animais” e que “camisinha não previne DSTs, sequer a AIDS” é bastante complicado para quem tem acesso à informação.

* Que critérios são usados para se excluir um crismando do curso? Afinal de contas existem jovens que faltaram o triplo de vezes que eu faltei.

Enfim, me senti perseguido, sofri discriminação, fui constrangido e injustiçado por uma instituição que julgava ser imparcial, justa e agregadora. O que vi não foi isso. Recorro a arquidiocese do Rio de Janeiro para que encontre uma explicação e uma justificativa digna e pertinente à minha exclusão do curso de Crisma. A indiferença do Padre frente à situação descrita acima me deixou boquiaberto e infelizmente manter-se indiferente a maior autoridade da paróquia frente a essa situação é inaceitável. Afinal de contas, casos de pedofilia e assédio sexual dentro da Igreja, envolvendo inclusive o clero, os jornais já estão cheios. Tenho fé de que alguma providência seja tomada, bem como eu, estou certo que a Igreja Católica busca fiéis e tementes a Deus de verdade e não Tartufos medíocres e dissimulados.




André Luiz Lobo de Barros



20 de outubro de 2009

André – Uma foca em minha casa (baseado em fatos reais)

Em meados dos anos 90, um filme conquistou a criançada cinéfila de plantão. André – Uma foca em minha casa se passava na zona portuária de uma cidade minúscula da Inglaterra. A foca protagonista conquistou o pequeno Toni, que com muita esperteza conseguiu adotar o animal e impedir que ele virasse atração de circo.

Bom, essa história aconteceu na Europa, sendo que o que o filme não contou e ninguém sabe, é que a foca André, 10 anos mais tarde, fugiu da cidadezinha inglesa e veio se refugiar do frio na região litorânea da costa brasileira, mais especificamente na grande Rio de Janeiro. A viagem foi cansativa, mas tão logo aportou em águas cariocas foi muito bem recebida e conquistou a todos que, muito embora, não acreditassem em seu destino feliz, achavam-na uma gracinha, simpática e muito inteligente.

A foca decidida e muito bem adestrada por Toni, logo se viu na condição de adulta, mesmo aos 17 anos, e tinha que a partir daí, que escolher seu futuro e desenhar como gostaria de viver. Havia várias possibilidades, trabalhar em circo (no sistema de escravidão); no Zoológico, sendo remunerada apenas com alimento; não trabalhar... mas o bicho inteligente parecia que tinha cérebro, e mais tarde ele ia provar isso a todos. Decidiu entrar numa universidade e trabalhar como foca num jornal, afinal de contas, as melhores focas das redações, garantem os cargos de editoria, os mais quistos do veículo. Para isso André precisava se destacar.

Muito sabido, o animal que já havia estudado inglês por 10 anos e arranhava um pouquinho espanhol, tentou vestibular para as melhores academias da cidade. UFRJ, UERJ, UFF... mas, por mais que fosse inteligente o suficiente para levar o curso, nenhuma delas o aprovou. A precariedade do sistema público de ensino superior era evidente, mas ele teve que lutar na escala de 42 candidatos por vaga na UFRJ pra seguir a carreira de jornalismo, não conseguiu. Na UERJ, não conquistou a vaga, por não se definir como negro, isso quase 50 anos depois da tese Hitleriana do arianismo e o darwinismo social terem sido postos em cheque, e completamente abatidos da Terra, no pós 2º Guerra Mundial. Mas não havia como ele convencer o reitor que aquilo era irracional e ignorante, e que ele não podia ser penalizado por conta de pecados abolicionistas da época do Império.

O governo brasileiro até chegou a testar os conhecimentos dele através do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), a média nacional na época não chegou nem a 4, enquanto o esperto André, tinha alcançado nota média quase no patamar de 9, o que não levou-o a lugar nenhum, além de gráficos estatísticos vergonhosos usados pelo IBGE, para medir a burrice da juventude brasileira e a uma matéria exatamente sobre o desempenho dele na revista Guia do Estudante, da editora Abril. André ficou desapontado, mas naquelas circunstâncias, nada lhe restava além de se matricular numa universidade particular. E foi partir daí que o coro resolveu comer, e uma série de incoerências e absurdos começou perseguir a foquinha, que mal sabia na época as regras que vigoravam na CLT.

Entrou numa primeira universidade em Realengo, próximo de seu lar, que despendia do orçamento mensal da residência onde ele vivia R$412,00 mensais. O curso era fraco, por vezes não tinha aula e sequer a informação de em qual sala ela seria ministrada. O MEC, uma espécie de conselho que analisa entre as coxas a qualidade do ensino no Brasil, não tinha dado ao curso uma boa nota naquele ano, mas não havia outra escolha. Meses depois, conseguiu estágio numa empresa, mas não tolerou a universidade e preferiu mudar pra outra melhor. Já na segunda universidade André conheceu pessoas novas, mas o que ele não esperava é que ela, batizada por uns e outros como Grana Filho, em referência às altas taxas praticadas, iria despender por mês mais de R$700,00 do bolso daqueles que lhes bancavam.

André e seus entes próximos foram até a reitoria da fundação, para tentar angariar algum desconto hipóctra de 10 ou 15%. Em vão. Naquele mesmo ano, o governo federal, botaria em vigor um projeto chamado ProUni, o que atingiu diretamente à classe média baixa, que não tinha como pagar os setecentos reais por mês, mas que era obrigada a fazer isso caso quisesse realmente investir em EDUCAÇÃO. Ganhavam bolsas integrais pessoas legais e interessadas, mas também aquelas perdidas e que tiveram um ensino médio, pré-universitário, precário, na Escolinha Municipal Carla Perez.

A foca, perdida, atônita pela cidade, não sabia mais o que fazer, e para sua surpresa, sua historia nem tinha começado. O ensino superior no Brasil estava decadente (ainda está) e o que ela não esperava aconteceu. O jovem universitário teve que agüentar dias de greve na universidade, que era particular, mas não tinha vergonha na cara e respeito com seus funcionários, chegando a atrasar os salários em três meses, sem qualquer justificativa.

Tudo bem, tudo bem. André nessa época, até tinha conseguido um estágio na própria instituição, continuava se destacando e convencendo àqueles que ainda duvidavam que ele seria uma ótima foca de redação. Recebia uma bolsa medíocre de 30%, mas não desanimava. O sonho de ser jornalista não lhe saía da cabeça.

Chegou a fazer doze disciplinas no mesmo período, e conseguia conciliar tudo, tirando boas notas e sempre sendo elogiado por onde passava. Mas talento no Brasil é cocô. O negócio agora era fazer curso de Petróleo e Gás, a modinha do momento, afinal a Petrobrás, tinha descoberto Tupi, em Campos e eles estavam precisando de pessoal para tirar petróleo do pré-sal há dois mil e caralhada quilômetros de profundidade. A jovem foca não tava nem aí pro petróleo, e continuou no ramo da informação. Até que um dia, já no finalzinho de seu ciclo acadêmico conseguiu um estágio do governo, no IBGE, simmmm o governo finalmente tinha ouvido as preces de socorro de André e sua carreira.

Ele se dedicou, inovou no estágio, se destacou e aprendeu horrores, mas o governo federal decidiu criar uma lei em favor do estagiário, QUE EXCELENTE! Entretanto demorou uns três meses para botar a lei em vigor e escrever o que ela deveria obrigar. O que aconteceu? O contrato da foquinha que durava seis meses e estava pra ser renovado, foi embargado por conta da lei, que proibiu que órgãos públicos renovassem contratos de estágio até nosso congresso bater o martelo. André perdeu o estágio 3 meses antes do programado, lá ele ganhava R$367,00, menos de um salário mínimo, que ele gastava em transporte, basicamente, de ida e volta pro trabalho.

Triste e abatido, André perdeu o emprego e aproveitou para se dedicar à monografia. Mais uma vez ganhou destaque e conseguiu grau 10 na apresentação. O coordenador do curso não titubeou, como prerrogativa usou a elegância do jovem, pegou a listinha de telefones, fez uma carta de indicação para ajudar André a entrar num jornal de verdade e enfim conseguir sua tão esperada vaga num impresso. O jovem se formou finalmente e seis meses mais a tarde a bomba! “Supremo Tribunal Federal veta a obrigatoriedade do diploma para exercício do jornalismo”, ou seja, qualquer boçal ganhou o direito de escrever qualquer coisa em qualquer jornal, o governo acabava de atestar no Supremo que o diploma de quatro anos de estudo serviu-lhe para porra nenhuma. O aprendizado nesse tempo, pelo menos, ficou guardado com André.

Mais os meses se passaram... Ninguém mais acreditava em nada, até que André sempre curioso e correndo atrás, conseguiu ser aprovado na UERJ, no programa de pós-graduação. Que felicidade a do menino!! André estava muito feliz, afinal não ia abandonar os estudos e a chance de conseguir uma vaguinha como foca de redação que ele tanto queria. Mais uma vez o governo não estava do seu lado, ele tinha conseguido uma vaga em faculdade pública, mas havia boleto bancário! Como assim? Simmmmm, 16 parcelas de R$380,00. E mais dinheiro era investido na carreira da foca.

Finalmente em abril, depois de zilhoes de entrevistas, André conseguiu entrar para o Jornal do Brasil, aquele de grande renome há 50 anos atrás, esse mesmo! Escreveu matérias, foi meio tolhido, mas chegou a ser capa do caderno cidade de domingo, roubando atenção de editores executivos do jornal, que começaram a acompanhar seus textos e elogiar frequentemente seu trabalho. Os meses se passaram e André conseguiu a tão esperada vaga de foca, o que não imaginava, é que o jornal estava realmente semi-falido, moribundo no mundo da imprensa, e seu trabalho simplesmente não seria remunerado. “- Como pode?”, questionou o rapaz.

O agora recém-formado parou, pensou, arregalou os olhos, bateu as nadadeiras e pôs-se a chorar. A foquinha tinha descoberto que tinha ido parar naquele lugar tão horroroso que Toni não queria que ela fosse. Descobriu que o Brasil, aquele país lindo cheio de sonhos, aquele que enfrentou a crise mundial como uma marolinha, aquele que tem a maior floresta tropical do mundo, era o próprio circo. E que a população brasileira eram aqueles animais maltratados pelos domadores.

A partir daí, tudo fez sentido pra André. Ele começou a entender porque os animais eram tão abandonados pelo IBAMA que deixada o tráfico de silvestres rolar solto, entendeu porque a cidade do Rio e as grandes metrópoles nacionais sofriam com a violência urbana, afinal existiam alguns selvagens não domesticados espalhados por lá. Teve uma aula de democracia e justiça com Zé Dirceu e Zé Sarney e ainda uma aula de empreendedorismo com Sérgio Cabral e a Cidade da Música. A educação no Brasil não era levada a sério, porque se destacar em prova do governo e perder vagas pra pessoas com menores desempenho por serem negras, lutar contra 42 concorrentes pra ter aula em sala quase sem teto e em prédio sem água, pagar e enfrentar greve, perder um estágio porque a lei não havia sido escrita a tempo, passar pra pós em faculdade pública e receber um boleto bancário no ato da matrícula e estudar quatro anos e obter um diploma desvalorizado seis meses depois por se tornar não obrigatório pelo STF é algo que poderíamos tranquilamente assistir num espetáculo de circo, e levar nossas crianças pra se divertir. Seria cômico senão fosse trágico.

Final da história: Toni está muito triste na Inglaterra longe de André, André está lutando em outro jornal sem remuneração e correndo riscos. E a educação no Brasil? Esta se encontra internada, num leito do Souza Aguiar, não agüentou o sufoco, o pouco caso do governo e de sua negligência frente aos sintomas graves que a acometeram nas últimas décadas. Foi internada às pressas num UPA da vida, mas teve que esperar a assistente social achar uma vaga num hospital maior, o diagnóstico: metástase, tumores no corpo todo, da creche ao ensino superior. O pior é saber que ela está nas mãos da saúde pública que também anda enferma.

16 de outubro de 2009

Amam-me e não sei corresponder

Muito já li sobre amores perdidos, platônicos ou frustrados,

Não sei bem o que é amar, tal quanto sei o que é ser amado.

Amo de menos, me amam demais.

Que coisa estranha num mundo individualista,

cheio de mentes perspicazes e insatisfeitas

buscando o amor que não vem, masoquista.

Estranho comentar que irritado fico

por nem sempre saber retribuir o que sentem por mim.

Ahh o amor, o nosso amor é um, os dos outros parece maior,

mais perdido, mais infame, sem fim.

Já amei mais que fui amado, mas já fui amado mais que amei,

se na primeira me debulhei em lágrimas,

na segunda em lágrimas me afoguei.

É difícil não ser correspondido,

mas soa estranho não corresponder.

Me amam e não sei o quanto dói

naquele coração que reluta pra me esquecer.

Se um dia eu amei, hoje eu sou amado.

Se me frustrei sem querer, não amo,

mas deixo o outro magoado.

Chorei e hoje sou motivo de pranto, de lágrimas,

de melancolia e insatisfação.

E senão chego a tal ponto, sei que incomodo, não correspondo,

não me atiro nos braços daqueles que me amam em vão.

Muito embora não esteja certo,

não lhes tiro os olhos nem lhes nego a mão,

Não deixo de dar os abraços apertados de perto,

nem lhes dou um empurrão.

Não é sadismo. É uma carência tolhida e reprimida,

interiorizada nos cantos mais sinuosos das válvulas de meu coração.

E se já reclamei por não ser amado um dia,

hoje agradeço aos votos com nem tanta alegria,

aos que amam tristonhos e vos peço perdão.



Por André Luiz Barros


2 de setembro de 2009


O "paradebate.blogspot.com" exige com cortesia o fim das roubalheiras e falcatruas na política brasileira, em especial no Senado Federal. De todos, ainda nao o considero o pior e acredito estar sofrendo uma perseguiçãosinha midio-política, mas Zé Sarney, sai daí filhote e se junta ao seu homônimo Zé Dirceu vai!!

28 de agosto de 2009


Visite e leia a coluna $ucesso S/A do jornal O Estado RJ Online (clique aqui)

11 de agosto de 2009

La bohéme

(prospectos do espetáculo La Bohéme pelo mundo, em Madri, Buenos Aires, Roma e Rio de Janeiro)

A boêmia carioca dos bares da Lapa, a boemia italiana da música e ballet de G.Puccini e a boemia francesa de Aznavour, num retrado do estilo de vida que atingiu a burquesia da metade do século XX e disparou no pós-guerra avante a juventude mundial, transviada, alucinada e sedenta pelo mercúrio do cuspe, da saliva e do gozo, frente às drogas, à liberdade da expressão e ao sexo. A boemia traz consigo, de imediato, a idéia de dissolução, de vícios, de inconsequencia, de noites de embriaguez e, por conseqüência, de dias de ócio, para curar a ressaca. Álcool e alguns pastéis, e o boêmio se vai pelas esquinas frias e mal iluminadas da madrugada em busca de um amor, mal resolvido, de um sexo pago, de um amigo não deprimido para afogar as mágoas e extrair o riso solto do bêbado equilibrista de Elis Regina. Charles Aznavour, em seu tom mais sóbrio-ébrio de todos nos traz uma canção francesa, narrando uma das noites desse pobre feliz embriagado nas fúnebres e desrreguladas madrugadas de insonia em busca da felicidade perdida. E se ainda tomam a boemia como indisciplina e desvio, eu ainda tomo a boemia como arte, a arte de falar o impensado, o irracional e de colocar pra fora as veias da humanidade insana que nos cerca e vive calado refém do medo dos limites que a sociedade lhes impõe.


----

Lá Bohéme - Charles Aznavour

Je vous parle d'un temps
Que les moins de vingt ans
Ne peuvent pas connaître
Montmartre en ce temps-là
Accrochait ses lilas
Jusque sous nos fenêtres
Et si l'humble garni
Qui nous servait de nid
Ne payait pas de mine
C'est là qu'on s'est connu
Moi qui criait famine
Et toi qui posais nue
La bohème, la bohème
Ça voulait dire on est heureux
La bohème, la bohème
Nous ne mangions qu'un jour sur deux
Dans les cafés voisins
Nous étions quelques-uns
Qui attendions la gloire
Et bien que miséreux
Avec le ventre creux
Nous ne cessions d'y croire
Et quand quelque bistro
Contre un bon repas chaud
Nous prenait une toile
Nous récitions des vers
Groupés autour du poêle
En oubliant l'hiver
La bohème, la bohème
Ça voulait dire tu es jolie
La bohème, la bohème
Et nous avions tous du génie
Souvent il m'arrivait
Devant mon chevalet
De passer des nuits blanches
Retouchant le dessin
De la ligne d'un sein
Du galbe d'une hanche
Et ce n'est qu'au matin
Qu'on s'asseyait enfin
Devant un café-crème
Epuisés mais ravis
Fallait-il que l'on s'aime
Et qu'on aime la vie
La bohème, la bohème
Ça voulait dire on a vingt ans
La bohème, la bohème
Et nous vivions de l'air du temps
Quand au hasard des jours
Je m'en vais faire un tour
A mon ancienne adresse
Je ne reconnais plus
Ni les murs, ni les rues
Qui ont vu ma jeunesse
En haut d'un escalier
Je cherche l'atelier
Dont plus rien ne subsiste
Dans son nouveau décor
Montmartre semble triste
Et les lilas sont morts
La bohème, la bohème
On était jeunes, on était fous
La bohème, la bohème
Ça ne veut plus rien dire du tout

INDICAÇÃO DO BLOG:
Essas e outras músicas do grande artista francês, poderao ser ouvidas no palco do Vivo Rio, no Flamengo, RJ, no dia 15 de setembro, em única apresentação. Aos 85 anos, o cantor, compositor e ator nos dará o privilégio de ouvi-lo, acompanhado por sete músicos e duas backings vocals, o artista apresenta uma coletânea de sucessos da carreira – como “She”, “La Bohême”, “Que c'est triste Venise”, “La Mamma”, “Ave Maria”, “Les émigrants”.

23 de julho de 2009

Mais altos? Mais ricos?

(Foto: Armani)

Na verdade, não confio tanto nessas pesquisas infundadas que o Jô muitas vezes usa pra abrir o seu programa. Um estudo dedicado a relação entre sucesso profissional e altura do homem pouco convence minha cabeça, entretanto, como existe uma base científica e uma metodologia razoavelmente aceitavel resolvi postar a matéria da FOLHA ONLINE aqui no blog. Só LÁ LÁ Romarinhos de plantão, mas o resultado da matéria realmente envaideiceu os meus 1,83 metros de altura. (Matéria segue abaixo)

-------

HOMENS MAIS ALTOS RECEBEM MAIORES SALÁRIOS, diz estudo.

Um estudo feito por cientistas australianos indicou que homens mais altos levam vantagens quando o assunto é salário.

Uma pesquisa feita com 7.000 pessoas concluiu que 5 centímetros a mais de altura equivalem a um adicional no salário de cerca de 950 dólares australianos --quase R$ 1,5 mil-- por ano.

É quase igual ao aumento por um ano a mais de experiência, afirmaram os autores do estudo.

A pesquisa foi conduzida na Austrália, considerando a altura média de um homem de 1,77m.

"Nossas estimativas sugerem que se este homem tivesse 1,82 m ganharia cerca de 1,5% a mais", afirmaram os autores do estudo, os economistas Andrew Leigh, da Universidade Nacional Australiana, e Michael Kortt, da Universidade de Sydney.

"É quase igual ao ganho de salário por um ano a mais de experiência."

Para os cientistas, a explicação para este fato pode estar ligada ao "respeito" que pessoas mais altas despertam em outros indivíduos, ou na confiança advinda de uma vantagem inicial em atividades sociais e esportivas durante a infância e adolescência.

A pesquisa australiana reforça conclusões semelhantes sobre a relação entre altura e salário em pesquisas feitas em outros mercados de trabalho, como os Estados Unidos, o Reino Unido e o Brasil.

Mas à diferença do que se observa em outros países --Alemanha e EUA, por exemplo--, os pesquisadores não observaram relação entre salário e o índice de massa corporal, o indicador que mede se um indivíduo está dentro, acima ou abaixo do peso, ou se é obeso.

"Não detectamos punição salarial por estar acima do peso ou obeso no mercado de trabalho australiano."

Leigh e Kortt disseram que esta discrepância pode ser explicada pela falta de homogeneidade nas estatísticas ou por uma diferença de atitudes em relação à obesidade nos diferentes mercados de trabalhos.

A pesquisa também avaliou a relação entre a altura e salário entre mulheres, mas o efeito, ainda que existente, foi considerado demasiado pequeno.

Segundo Leigh e Kortt, um adicional de 1,5% no salário das mulheres só é verificado entre aquelas com cerca de 10 centímetros a mais de altura.



FONTE: BBC Brasil


21 de julho de 2009

"paradebate.blogspot.com" faz seu apelo por um mundo feito de pessoas mais sensatas e racionais.

15 de julho de 2009


"paradebate.blogspot.com" pede um BASTA na violência urbana das grandes metrópoles do Brasil e nas pequenas cidadezinhas do campo também!!!!

13 de julho de 2009

Arte, beleza e história, da Rússia para o Rio de Janeiro

Por André Luiz Barros, O ESTADO RJ (13/07/2009)

Desde o final de junho o Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro abriu as portas para a maior exposição de obras russas que já veio ao Brasil. As 123 obras de arte ficaram hospedadas até dia 23 de agosto na cidade, entre telas, esculturas e instalações, resi- dentes oficialmente no Museu Estadual de São Petersburgo. A mostra reúne importantes artistas modernistas da vanguarda russa, entre eles, Rodtchenko, Malievitch, Kandinsky, Tatlin, Chagall e o pouco conhecido no Brasil, mas não menos talentoso, Pavel Filónov.

Quem se dispor a visitar a exposição pode esperar um impacto do belo sobre os sentidos, num show de cores, arte e história. A vanguarda russa, representada pelo suprematismo e o construtivismo, trouxeram a mágica dos pincéis e da arquitetura feita pelas mãos de grandes nomes da arte mundial e marcaram época depois do movimento conhecido como outubro vermelho da Revolução Russa.

É interessante notar como a cultura popular é representada nas telas. O abstracionismo de Nadiejda Udaltsova em “Restaurante” é uma completa viajem subliminar, através de traços firmes e de cores fortes, mostrando a confusão do surgimento dos ainda recém-nascidos campos de interação social da cidade, ainda em construção.

As pinceladas de Vassili Kandínski encantam qualquer espectador. Através de uma visão apurada do mundo, sua obra é marcada por um choque colorido e geométrico. Do outro lado, artistas como Natalia Gontcharova ou Mikhail Lariónov, assinaram famosas telas que rabiscam a óleo cenas do cotidiano rural da Rússia.

De todos os artistas, dois merecem especial destaque, Kazimir Maliévitch e suas dezenove obras, que explicitam bem o interesse de ruptura vanguardista e a busca por uma utopia pela construção de um novo mundo, e o pouco conhecido no ocidente, Pavel Filónov. Três telas de Maliévitch inauguram o suprematismo na pintura: a cruz, o quadrado e o círculo preto sobre fundo branco despertam-nos a curiosidade pela interpretação. Se por um lado, Maliévitch, já representa mundialmente o suprematismo russo, de outro, Pavel Filónov, é autor de obras incríveis, mas ainda pouco conhecidas e valorizadas no ocidente. As pinturas “Duas meninas”, por exemplo, mostra o talento de Filónov, que causa um frenesi especial nos visitantes da exposição através do ar cubo-futurista de suas telas, algumas parecem terem sido cobertas de camurça, tamanha sensação de tato visual nos apreciadores.

A exposição está distribuída em várias salas do CCBB e expõe ainda Mark Chagall e Aleksandr Rodtchenko, diferentes expressões da vanguarda russa, que evidenciam a heterogeneidade do movimento. O suprematismo e o construtivismo fizeram parte de um movimento cultural ocorrido entre 1890 e 1930 que repercutiu numa grande mudança na história da arte. As obras são história viva da Rússia.



12 de julho de 2009

O presente perfeito para o dia dos pais de 2009

Todo mês de julho é a mesma coisa, uma pergunta paira na cabeça de todos: o que dar de presente para meu pai no segundo domingo de agosto? Se por um lado a crise mundial ainda traz insegurança aos bolsos dos brasileiros, ainda que a economia de nosso país esteja num circuito rippie de “paz, amor e harmonia”, nem todo mundo está com grana pra gastar. Os mais abastados por sua vez, que segundo o Ipea trabalham três meses a menos que uma gama de mortais que recebem até dois salários mínimos, na pressão dos juros dos cartões de crédito, também reservaram uma quantidade humilde com as despesas do presente, e agora? O que nos resta fazer?

Fugir da velha e sem graça lembrancinha, e dar um presente legal sem pesar no orçamento, aproveitando a boa onda inflacionária parece ser um missão difícil, mas não impossível, a questão é ter boas ideias e originalidade.

A prorrogação da isenção de IPI, Imposto sobre produto industrializado, divulgado no começo de julho por Mantega, nos dá uma gama de sugestões. A linha branca de eletrodomésticos continua em alta, bem como os automóveis que bateram recordes históricos de vendas no Brasil no último mês, mas televisão, geladeira, carros e motos, são muito caros, e exigem um planejamento prévio no gadget mensal. As besteirinhas nunca têm muita receptividade, dar meias e cuecas soa falsidade e falta de amor, afinal pai é pai.

Parei, refleti um pouco e como mudar nesse ano? Já dei até aqueles objetos pra casa, que é o tipo de presente que damos para a avó chata daquele nosso amigo pentelho, como saca-rolhas, cortador de pizza e perfume Natura. A crise mundial está aí, resolvi então dar uma de esperto, ser original sem perder a pose.

O mundo está endividado, até os EUA, os grandes consumidores da Terra ouviram de Obama que terão que se acostumar com o aperto. O dólar está se desvalorizando frente ao real, e valendo em torno dos um e noventeipouco, entre altas e baixas, fica estacionado na dezena dos 90. O consumo mundial se aquecendo aos poucos, e os empregos cada dia mais a Deus dará, vide últimos anúncios de demissão de multinacionais na Europa. A queda da produção industrial mundial, herdeira da falta de poder aquisitivo, produz em escala consumidores fracos no mercado, um elemento se destaca e entra na faixa de valor ideal que posso gastar pro presente do papai: o Petróleo.

Após alta até o ano passado, a crise mundial já afetou o valor dos barris de Petróleo, causadores de tanta ganância e guerra no oriente médio e Afeganistão. A desaceleração da economia mundial repercutiu na queda do valor esse elemento não renovável e de grande expressão econômica na Terra. Apesar de algumas decepções aqui no Brasil, que é “auto-sustentável” não sei aonde, já que agora não é só o whisky que está dividido entre bom e ruim, o petróleo, pasmem, também é classificado dessa forma, e para nossa surpresa, o problema é que o nosso petróleo, da monopolista Petrobrás, não é bom, daí, a necessidade de importação do material de fora. As últimas notícias nem são tão animadoras, depois de tanto estudo e boatos sobre como extrair petróleo da camada pré-sal do Campo de Tupi, o resultado foi um pouco desestimulante e brochante, a multinacional que ficou por conta de tentar extraí-lo de milhares de metros de profundidade, não achou nada, nem gás sequer.

Isso só me mostra que ter petróleo em mãos, dá poder, dá status. O petróleo causa guerras internacionais, causa especulação enquanto comodditie, está como investimentos em forma de ação no mercado financeiro, vai acabar por ser um fonte de energia não-renovável na natureza, é uma grande fonte de renda para municípios brasileiros em forma de royalties, e com a crise mundial só recuperará sua demanda em 2011 segundo a própria OPEP, ou seja, o preço está em conta, e o material é valorizado em todo o mundo.

Pode ser uma viagem pela atual economia mundial, mas eu já tenho o meu presente pro dia dos pais, vou dar a ele um singelo barril de petróleo, que está sendo vendido hoje, a quase 100 dólares a menos que o ano passado, por apenas 60 dólares, ou com o dólar do jeito que tá, por apenas R$ 120,00. Só tenho que aproveitar o momento enquanto o Banco Central do Mr. Meirelles não inventa de leiloar a verdinha americana, mas tadinhos dos exportadores, sejamos solidários né.

Aproveitando o encejo, FELIZ DIA DOS PAIS SR. ANTÔNIO JOSÉ (meu pai)!!